sábado, 4 de junho de 2011

EUA pede à China que investigue ciberataque ao Google

Washington, 3 jun (EFE).- Os Estados Unidos pediram ao Governo chinês que investigue o recente ciberataque contra as contas de e-mail do Google de seus funcionários, após a companhia informática alegar que a operação foi conspirada na China.

"Levamos à China nossa preocupação sobre as acusações (do Google) e pedimos que as averigúem", disse o porta-voz do Departamento de Estado americano, Mark Toner, em sua entrevista coletiva diária.

Toner não ofereceu mais detalhes sobre a conversa entre Washington e Pequim, mas contou que ela aconteceu depois de o Governo chinês negar seu envolvimento nos ataques de hackers e tachar as acusações de "inaceitáveis".

O porta-voz disse que a decisão de entrar em contato com a China aconteceu devido à "seriedade" das acusações feitas pelo Google. No entanto, reiterou que os EUA vão esperar a conclusão da investigação iniciada pelo FBI (polícia federal americana) para determinar se apoia ou não a alegação do gigante informático.

O Google anunciou na quarta-feira o desmantelamento de um "plano de roubo de senhas de centenas de contas do Gmail de altos funcionários dos EUA, ativistas políticos chineses, funcionários de diversos países asiáticos (especialmente da Coreia do Sul), militares e jornalistas".

Segundo a companhia, o plano foi supostamente lançado da cidade chinesa de Jinan e pode ter originado um falso documento intitulado "Minuta de Comunicado Conjunto EUA-China", que circulou em e-mails nos Departamentos de Estado e de Defesa dos EUA.

No entanto, Toner descartou nesta sexta-feira que funcionários do Departamento de Estado tenham recebido ataques em suas contas de e-mail pública ou privada.

Quem trabalha para esse organismo federal tem permissão para acessar seus e-mails privados do escritório, e o sistema permite que reenviem a essas contas os do Departamento de Estado àqueles que tenham acesso, inclusive os confidenciais, explicou Toner.

O Pentágono e a Casa Branca também negaram que seus funcionários tenham tido suas contas sabotadas. EFE

Nenhum comentário:

Postar um comentário